Tratamento do câncer na pandemia

Diante de uma pandemia como esta que estamos enfrentando, surgem muitas dúvidas e incertezas. Paciente oncológico faz parte do grupo de risco para COVID-19, autoridades recomendam o isolamento social, por outro lado como fica o tratamento do câncer na pandemia?

De acordo com estudo “Estimativa 2020“, produzido pelo Instituto Nacional de Câncer – INCA com base em registros populacionais do país e de hospitais de câncer, o Brasil poderá ter aproximadamente 625 mil novos casos de câncer neste ano de 2020.

Se você faz tratamento para câncer, ou conhece alguém que faça, leia e compartilhe esse post. Prezamos por informação segura e com qualidade, Por isso, convidamos uma pessoa especialista no assunto, Dr Raphael Brandão.

Tratamento do câncer na pandemia, Dr Raphael Brandão
Arquivo pessoal Dr. Raphael Brandão
Saiba mais sobre o Raphael

Casado com a Indianara, pai de três fofuras: Raphaela, Francisco e Antônio. 🥰
Médico oncologista, especializado no Dana-Farber Câncer Institute/Harvard Medical School, assim como oncologista do MedScape. Além disso, é autor e coautor de dezenas de artigos científicos, tem apresentado inúmeros trabalhos nos principais congressos médicos do mundo, recebendo por três anos consecutivos o prêmio Merit Award da Sociedade Americana de Oncologia.
Raphael também é um dos fundadores do @medico.do.futuro, e da Missão COVID (temos um post incrível sobre a @missaocovid aqui no blog. Se você ainda não viu, confira: “Consulta online – Coronavírus, saiba mais“).

Gosto mesmo de ser clínico, daqueles à moda antiga, que procura até a frieira dos pacientes (risos). Percebi que o câncer não é unifatorial, ou seja, não adianta apenas prescrever quimioterapia, imunoterapia ou qualquer outro tipo de tratamento – essa é a parte fácil. Até mesmo uma máquina pode fazer isso. Hoje, eu me dedico a uma causa, procuro entender o indivíduo de maneira única, ou seja, não dá para apenas prescrever o remédio. Acredito muito na relação médico-paciente; sem uma excelente relação é impossível obter resultados bons, sobretudo em pacientes oncológicos. Hoje não trato apenas pacientes com câncer, trato também pacientes que não querem ter câncer.

Dr. Raphael Brandão

Acesse: www.raphaelbrandaooncologista.com e saiba mais.
Siga: @dr.raphaelbrandao
Curta: Dr. Raphael Brandão – Clínico Geral e Oncologista

Leia também: “Os médicos do futuro já não são os mesmos“.

Siga direitinho o tratamento indicado por seu médico!

Se você faz algum tratamento indicado por seu médicopodemos ajudar com esse desafio! Pois é! Baixe o app CUCO agora mesmo, cadastre seus medicamentos e iremos alertá-lo todos os dias para que tome no momento certo. Além disso, você pode adicionar aquela pessoa de sua confiança que o incentiva no tratamento. Se você deixar de tomar o medicamento na hora certa, essa pessoa escolhida por você será alertada!

Clique aqui para instalar o CUCO gratuito para Android

Clique aqui para instalar o CUCO gratuito para iOS

Primeiramente, qual é a missão do Dr Raphael como médico e pessoa? 

Promover saúde, esta é a minha missão. Acredito que a saúde precisa ser revolucionada, todavia a maneira como respondemos ainda é bastante reativa. Promover saúde não se limita a exames, campanhas preventivas específicas, hábitos saudáveis – isto é óbvio, já sabemos disso de maneira geral. E se sabemos, porque ainda encontramos tantas pessoas não saudáveis? Na minha opinião, é porque o conceito de saúde vai além, e está relacionado com uma interface entre o bem estar físico, mental, social, cultural e espiritual.

Enquanto não entendermos que cada ser humano é único, e que a abordagem no âmbito da saúde deve ser o mais pessoal e personalizada possível, não teremos grandes evoluções. Enquanto não entendermos que para gerar qualquer tipo de mudança de atitude em qualquer ser humano, precisamos investir tempo na maneira como nos relacionamos. Uma relação entre profissional de saúde e paciente forte e saudável, não tem como gerar frutos diferentes do que uma vida saudável.

Alguns pacientes estão recebendo o diagnóstico em plena Pandemia e ficam com uma dúvida importante: Todo câncer precisa ser tratado assim que descoberto?

Não conseguimos generalizar os tumores. Assim como os seres humanos, eles também tem sua evolução própria. Não posso abordar um câncer de próstata localizado e de baixa agressividade da mesma forma que abordamos um câncer de pulmão com metástase cerebral, por exemplo. Minha preocupação atual tem sido com a redução do número de pacientes procurando os hospitais por queixas não relacionadas ao COVID, e as consequências virão. Nos EUA por exemplo, o número de morte súbita em casa aumentou 800%. Estimativa recém publicada no Jornal Britânico de Medicina aponta um aumento de aproximadamente 20% na mortalidade por câncer no próximo ano, consequente à pandemia. A principal causa tem sido o medo dos pacientes se contaminarem ao procurarem unidades de saúde.

Como fica o tratamento de pacientes oncológicos durante a pandemia? 

De uma maneira geral existem mudanças. Eu diria que uma maior personalização nas tomadas de decisões. É claro que existem situações que podemos ajustar, como, por exemplo, pacientes em seguimento, podemos atrasar um pouco o retorno. Lançamos mão da telemedicina para monitorizar os pacientes. Cuidados para evitar o contágio são tomados. Mas de uma maneira geral, precisamos nos lembrar que em muitas situações o câncer é o principal desafio. 

Neste momento muitos pacientes têm evitado a ida aos Hospitais. Qual a orientação para pacientes oncológicos em tratamento? Quando se sentirem mal, devem procurar o hospital?

De uma forma geral, com certeza sim. O ideal é ter um contato próximo com a equipe médica que assiste o paciente e ter esse tipo de avaliação caso a caso.

Quais têm sido as principais dificuldades de seus pacientes neste momento e qual a sua recomendação nestes casos?

Os pacientes com câncer vivem muitas vezes dialogando com o fantasma do medo. Medo da morte, medo dos efeitos colaterais e medo do que vai acontecer amanhã. Eu diria que esses medos todos nós vivemos. Porém, os pacientes oncológicos convivem de maneira mais intensa com esses questionamentos. Em um momento de pandemia, os fantasmas aparecem para todos. Imagine para os pacientes com câncer? O desafio é manter o foco no tratamento, sem deixar que o medo do vírus roube a atenção.  

Pacientes oncológicos podem tomar a vacina da gripe?

Sim, devem. A vacina da gripe é feita de vírus morto, e pode ser dada em casos em que possa haver imunossupressão. Importante evitar infecções secundárias neste momento, por isso é fundamental a vacina.  

Existe alguma recomendação para que pacientes oncológicos possam aumentar a imunidade neste momento?

Não há nenhuma recomendação que aumente de forma instantânea a imunidade, todavia sabemos que quanto mais saudável é o estilo de vida, melhor é o funcionamento do sistema imunológico. Portanto, uma vida com alimentação saudável, baixa ingesta de açúcares, fugir da obesidade, dormir bem, praticar atividade física, são algumas das estratégias bastante conhecidas por nós, e que ajudam o sistema imunológico. 

Aqui no blog, temos dois posts com dicas bem legais e vídeos de exercícios, se você ainda não viu, vale a pena conferir: “Exercícios em casa, vencendo a pandemia” e “Bem-estar na quarentena: dicas para enfrentar a pandemia“. 😉

Qual é a recomendação caso um paciente oncológico apresente sintomas de gripe?

Primeiramente avise seu médico, converse com a equipe assistente. Os dados nos mostram que os pacientes em quimioterapia, portadores de neoplasias hematológicas (leucemias, linfomas, mieloma múltiplo) podem ter mais complicações ao COVID-19. Por isso, é fundamental a comunicação estar super alinhada entre o paciente e equipe médica. Se agirmos de forma proativa, reduziremos muito as chances de problemas aqui. 

Por último, qual a sua mensagem para pacientes que estejam realizando um tratamento oncológico neste momento?

Vou dividir em 3 breves mensagens:

  • Em primeiro lugar: Não deixem o coronavírus fazer com que a sua dor seja pior do que é.
  • Segundo: Intensifiquem a relação que vocês tem com a equipe médica, sejam proativos sem cair em paranóias, mesmo que isso seja muitas vezes difícil. 
  • E por último: Ajudem as pessoas a encararem esse tempo, afinal de contas o COVID-19 é um vírus que nos faz lembrar que somos mortais, que somos frágeis, que não temos o controle de tudo, não poupa classe social. Exatamente como o câncer que vocês tem lutado, portanto, nos ensinem sobre isso. Sobre como combater esse tipo de doença. O momento é de colaboração, e vocês podem colaborar muito. 

Fique de olho aqui no blog, acompanhe as próximas postagens.
Nossos conteúdos são fontes seguras de informações, neste momento essa é nossa maior prova de amor com você e sua família!
 💙

Acompanhe o CUCO nas redes sociais:
Instagram: @cucohealth
Facebook: CUCO
Canal do Youtube: CUCO – Lembretes de medicamentos

Saiba tudo sobre o novo Coronavírus.